Exportações de produtos alimentares estão a crescer

Há um ambiente de otimismo nas empresas exportadoras de produtos alimentares” – afirmou Assunção Cristas. A ministra da Agricultura esteve há dias no SIAL, em Paris, contactando os exportadores portugueses presentes nesta feira profissional. O SIAL é um dos maiores salões de alimentação do Mundo, ocupando toda a área disponível do Parque de Exposições de Paris Villepinte.

“Podemos ver muito entusiasmo neste setor, com as exportações a crescerem e a mostrarem que os produtos portugueses do setor alimentar têm despertado muito interesse. Hoje as geografias onde estão os nossos produtos são cada vez mais diversificadas. É um bom ano que se vive aqui em Paris neste salão” – disse a ministra.

A presença portuguesa envolveu o stand coletivo da Portugal Foods e vários stands individuais num total de quase 40 empresas. “As exportações no setor alimentar aumentam acima da média das exportações em Portugal” – referiu Assunção Cristas. O último dado apurado é o de Agosto e mostra que as exportações cresceram mais 13%. “Temos um setor muito dinâmico, muito vivo e com grande potencial de crescimento e sabemos que a população mundial vai crescer e há muitas zonas do globo onde hoje as pessoas estão a viver melhor, com mais poder de compra e portanto também têm mais possibilidade de conhecer os nossos produtos, que são muitíssimo bons, de grande qualidade e que são muito apreciados” -acrescentou.

Segundo a ministra, na área alimentar temos um défice comercial na casa dos 30%, mas estamos a progredir e o objetivo a médio prazo a 2020 é chegar a um momento de equilíbrio na nossa balança. “Há sinais muito positivos; por exemplo, este ano, o setor do azeite, aliás aqui bastante representado, em termos de valor, já atingiu a autossuficiência. Mas há outras áreas que também estão a progredir.

O que sentimos é um interesse das empresas portuguesas em valorizar os produtos portugueses, em inovar. Estamos com os olhos postos naquilo que é acrescentar valor à nossa matéria-prima que é de grande qualidade, mas que pode ser muito valorizada” – referiu.

Questionada pela “Vida Económica”, Assunção Cristas manifestou o empenho em simplificar os processos para aumentar o investimento e a produção de produtos agrícolas. “Estamos muito empenhados em simplificar tudo o que podemos na área da agricultura. Como é sabido, é uma área de Política Agrícola Comum. Há muitos constrangimentos que têm que ver com os regulamentos comunitários, mas estamos neste momento a trabalhar intensamente para simplificar tudo o que pudermos em todas as áreas.

Menos exigência de licenciamento

“Estamos a trabalhar em todas as áreas para simplificar os licenciamentos e em muitos casos para deixar de ter processos em licenciamento e há já exemplos concretos em vários domínios, por exemplo em matérias de reabilitação urbana, seja com o processo em discussão que tem a ver com a florestação, em que se exige hoje licenciamentos em áreas onde provavelmente vamos deixar de o exigir. Não quer dizer que não se mantenha a fiscalização, mantêm- se as regras, mas porventura bastará termos de responsabilidade e comunicações prévias sem licenciamento. Esse é um trabalho fulcral para nós. Agora é tempo de olhar com detalhe para todos os processos” – referiu.

Source: portugalfoods.org

Share this post